Segundo servidores da Casa, cortes no orçamento prejudicaram emissora

Mau cheiro provocado por problema no esgoto já levou à suspensão do expediente devido ao 'estado insalubre'

MATHEUS LEITÃOGABRIELA GUERREIRODE BRASÍLIA

Criada em 1996 para divulgar as atividades dos senadores, a TV Senado vive situação de sucateamento e abandono, segundo e-mails e relatos de servidores.

Com funcionários trabalhando em condições insalubres e equipamentos sem manutenção por quase um mês, a TV enfrenta cortes no orçamento devido à política de redução de gastos imposta pelo presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL).

E-mails obtidos pela Folha e relatos de servidores que preferem não se identificar revelam que os serviços de manutenção foram suspensos após o contrato para a atualização dos equipamentos ser encerrado.

Nesse período, câmeras e ilhas de edição pararam de funcionar --após ser procurada pela reportagem, a Casa firmou contrato com validade de dois meses.

Quando as fitas para gravação acabaram, técnicos da emissora passaram a selecionar o que seria registrado e a descartar imagens anteriores.

Sem tinta para impressão, passaram a recorrer a outros departamentos do Senado.

Eles também se queixam do mau cheiro que emana do subsolo da TV, causado por um defeito na bomba que leva o esgoto do Senado até a Caesb (Companhia de Esgoto de Brasília). A situação já levou a direção da emissora a suspender o expediente por uma tarde devido ao "estado insalubre" causado pela "liberação de gases".

OUTRO LADO

Em nota, o Senado afirmou que a maior parte dos equipamentos da TV tem quase 15 anos de utilização, mas deve começar a ser substituída neste ano.

A Casa diz ainda que a falta de impressora não prejudica os trabalhos da emissora.

Quanto ao esgoto, o Senado admite o problema e promete realizar a manutenção na bomba aos sábados.

FONTE: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/158921-abandonada-tv-senado-esta-em-mas-condicoes.shtml



Ver todas as notícias