banner_REFORMA-ADMINISTRATIVA DA-CÂMARA-DOS-DEPUTADOS (1)

Confira as principais dúvidas sobre proposta de Reforma Administrativa da Câmara

Sindilegis esclarece filiados acerca das mudanças de reestruturação da Casa anunciadas por Rodrigo Maia.

Em live nessa quinta-feira, 03/09, o presidente do Sindilegis, Petrus Elesbão, e os vice-presidentes para a Câmara e para o TCU, Paulo Cezar Alves e Alison Souza, respectivamente, responderam a perguntas dos filiados e esclareceram dúvidas a respeito da proposta de Reforma Administrativa da Câmara dos Deputados. Para assistir a íntegra da transmissão acesse aqui.

Os dirigentes também participaram de uma reunião com a diretoria-geral da Casa para entender melhor a propositura anunciada na quarta-feira (2) pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia. O Sindicato vai estudar as mudanças sugeridas e elaborar contra-argumentos para assegurar os direitos dos servidores e evitar a desvalorização da categoria.

 

Confiram os principais questionamentos dos filiados:

O que seria carreira típica no Legislativo? Quais são as oito carreiras que ficam?

A discussão sobre o que é carreira típica de Estado não foi enfrentada e não faz parte da proposta da Câmara. A respeito das oito carreiras que serão mantidas, o Sindilegis está aguardando a manifestação da Mesa Diretora da Casa. O que ficou claro na fala da diretoria-geral é que algumas atribuições dos cargos que são operacionais serão retiradas. Ou seja, segundo a proposta, serão mantidas as atribuições mais complexas, que dizem respeito à atividade finalística e vão extrair as atribuições mais operacionais.

 

Qual será a estratégia do Sindicato para defender a carreira legislativa?

O Sindilegis vai estudar a proposta com cautela e em breve nós vamos apresentar uma contraproposta às sugestões da Câmara para a categoria.

 

Existem discrepâncias na Câmara e no Senado em início de carreira. Isso será objeto de estudo?

Isso não é justo. O Sindicato trabalha para que se mantenha uma isonomia entre as Casas.

 

Quais são as chances de conseguir barrar a proposta?

O Sindilegis trabalha para aproximar os nossos contra-argumentos da proposta oficial da Câmara no sentido de reduzir as diferenças. Nos pontos em que não houver consenso, a entidade vai batalhar no plenário da Casa e buscar apoio junto aos deputados. Batalharemos até o fim na luta pelos direitos dos servidores.

 

De acordo com a proposta anunciada, o salário inicial dos servidores da Câmara teria uma redução de 40%. O que o Sindilegis vai propor nesse sentido?

Essa redução é muito alta e vai gerar um grande impacto na remuneração dos futuros servidores. A medida, se for aprovada, vai gerar problemas institucionais ao dividir os servidores com salários e enquadramentos diferentes. Isso vai enfraquecer as carreiras e desmotivar os servidores. Por isso, o Sindicato solicitou um estudo da Câmara sobre o número de servidores e o valor dos salários de projeção considerando o número de servidores frente aos salários para que a gente saiba para estabelecer uma margem de redução do salário de entrada da carreira. Quarenta por cento é um valor excessivo e desnecessário. O Sindilegis vai lutar para que essa redução seja menor.

 

Ao estabelecer que haverá apenas três níveis hierárquicos haverá apenas diretor-geral, diretores de departamentos e coordenadores? E quanto ao Núcleo de Sessões?

Dentro das coordenações haverá funções de supervisão. Essa é a lógica. Na prática, estão rompendo os muros, mas a organização interna continua com as funções. O que hoje é uma função de um núcleo, de uma sessão, será a função de um supervisor. O Sindicato vai aguardar o documento que especifica isso melhor para discutir a questão com profundidade.

 

O que será proposta em termos de modernização?

A grande tônica da proposta é a redução dos níveis hierárquicos, a pactuação de metas de cada servidor e de cada setor, e a diminuição de setores. Haverá um agrupamento maior de atividades porque se acredita que as pessoas trabalhando de maneira mais integrada ajudaria a alcançar melhores resultados.

 

As sessões virtuais vão permanecer?

A continuidade das sessões virtuais não foi objetivo de discussão.

 

O teletrabalho será implementado definitivamente?

A regulamentação do teletrabalho na Câmara está em discussão. O Sindilegis está tratando do assunto com as direções da Câmara e do Senado. A expectativa é que a regulamentação ocorra no início de 2021.

 

O orçamento para funções comissionadas será mantido? Haverá redução no número de funções?

Sim, o orçamento será mantido. Na avaliação do Sindicato, não haverá redução no número de funções e sim uma reorganização da distribuição das funções. Pela ótica da Câmara, a forma como se distribui funções hoje não é adequada e eles querem propor em critérios mãos objetivos e técnicos. Uma parte das funções será reservada para servidores que queiram desenvolver projetos.

 

O que muda para os aposentados?

Nada.

 

Os servidores em estágio probatório serão afetados com as mudanças?

Não.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tags: No tags

Deixe seu comentário