Uslei Marcelino

Em protesto com projeções, Sindilegis lamenta número de vidas perdidas na pandemia: 284 mil mortos

Protesto feito em parceria com o Sindjus-DF marcou repúdio à má gestão da pandemia, denunciou armadilhas da proposta de reforma administrativa e cobrou pautas resolutivas em relação à crise sanitária

As frases “280 mil mortos”, “Vacina Já”, “Basta de Corrupção” e Serviço Público SOS” foram projetadas no prédio do Ministério da Saúde, em Brasília, na noite de ontem (17). A manifestação organizada pelo Sindilegis, em parceria com o Sindjus-DF, repercutiu nos veículos jornalísticos tradicionais e alternativos e ganhou destaque na capa impressa do jornal O Globo e na página da Mídia Ninja no Instagram nesta quinta-feira (18).

O Globo escreveu: “Durante protesto contra a condução da pandemia pelo presidente Bolsonaro, número de mortos é projetado no prédio do Ministério da Saúde”.

O ato foi realizado com o objetivo de sinalizar ao governo a cobrança por soluções reais para a pandemia da COVID-19. No mesmo dia, o Brasil atingiu a triste marca de 284,775 mil mortos, de acordo com números divulgados pelo consórcio de imprensa. O Sindilegis também denunciou a tentativa de sucateamento do serviço público, ameaçada na PEC 32/2020, que trata da reforma administrativa, e que dificulta ainda mais o acesso da população a serviços essenciais em um momento de extrema de vulnerabilidade.

As projeções compõem as ações empreendidas pelo Sindicato em torno do Movimento Basta!, que conta ainda com a participação de outras 300 entidades. O posicionamento unânime entre as liderança é de que a proposta cria um cenário de incertezas, acaba com direitos democráticos conquistados pela Constituição e não resolve as reais necessidades da população, como a falta de um plano estratégico de vacinação em massa, reforço do Sistema Único de Saúde (SUS) e geração de empregos e renda.

Projeção e fotografia de Uslei Marcelino para o Sindilegis

Para o presidente do Sindilegis e servidor do TCU, Alison Souza, a PEC não cria dispositivos para solucionar os atuais problemas de gestão enfrentados por muitos órgãos públicos. “Há de se questionar quem se beneficiará com essa proposta, pois certamente não será o povo brasileiro. Ainda mais, a PEC não foca na capacitação dos servidores, nem em transformar a Administração Pública acessível e moderna. Em comparação a outros países e até mesmo a iniciativa privada, a proposta é um retrocesso”.

E ainda complementou: “É preciso dar um basta nessa política ultrapassada, sanitária e incompetente porque ela coloca nosso país em perigo! Nunca antes se tornou tão imprescindível unirmos forças para barrar essas propostas. Não ao sucateamento do serviço público, basta!”.

Costa Neto, coordenador-geral do Sindjus-DF, convida todos os brasileiros a se engajarem nesse movimento e faz um sinal aos parlamentares que discutirão a PEC 32: “Chega de pagar a conta da corrupção e da incompetência dos maus gestores. Estamos todos no limite. Ou cai essa PEC ou vamos trabalhar para derrubar todos os envolvidos na sua aprovação”.

As projeções foram feitas pelo fotógrafo premiado com o Pulitzer em 2019, Uslei Marcelino. As imagens que ilustram este texto também são dele.