Sindilegis continua trabalhando no convencimento de parlamentares e monitorando o posicionamento de cada um


O Governo até tem planos para votar a reforma da Previdência em outubro, mas, para a maioria dos deputados, a proposta deve ser analisada só ano que vem. Uma pesquisa inédita feita entre os dias 15 e 23 de agosto pela consultoria Arko Advice com 199 deputados de 25 partidos e publicada no jornal O Globo (27/08) mostrou que a chance de não aprovação é gigantesca. Para 83% dos parlamentares consultados, a reforma não será votada este ano.

O pessimismo atingiu até mesmo o PMDB, partido do Presidente Michel Temer. De 24 deputados da legenda consultados, 16 não acreditam na aprovação. Os dois maiores obstáculos apontados pelos entrevistados foram a proximidade com as eleições de 2018 (49%) e a falta de apoio na base (35%).

Pesquisa Sindilegis 

Em maio deste ano, o Sindilegis também realizou uma pesquisa para medir o nível de aprovação dos deputados quanto à reforma da Previdência. Elaborada entre os dias 9 e 16 de maio em parceria com a Dataplan, instituto que trabalha para oferecer informações precisas nas áreas política, mercadológica e social, a pesquisa apontou que apenas 15% dos entrevistados eram a favor da reforma.

Foram consultados 512 parlamentares. De acordo com a pesquisa, além dos contrários à reforma, 11,13% dos deputados estavam indecisos, 8,01% eram a favor, 7,03% a favor com ressalvas e 33,79% não se manifestaram. Para aprovar a PEC, são necessários 308 votos. À época, apenas 77 deputados se declaram a favor da proposta.

Para o presidente do Sindilegis, Petrus Elesbão, o cenário vem piorando para o Governo: “Nossa batalha junto aos parlamentares é diária, constante. E não vamos descansar enquanto essa proposta não for sepultada”.


Tags: reforma da previdência; placar atualizado



Ver todas as notícias