Dirigentes do Sindilegis continuam visitando parlamentares para expor outras saídas para o ajuste das contas públicas


A declaração do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM/RJ) nesta terça-feira (15), de que não há votos suficientes para que a reforma da Previdência (PEC 287/2016) se torne realidade, foi avaliada como positiva pelo Sindilegis e entidades. Desde dezembro do ano passado, mês em que a proposta foi enviada ao Congresso Nacional, diversas ações têm sido desenvolvidas para impedir o avanço de sua tramitação. 

Para o presidente do Sindilegis, Petrus Elesbão, os trabalhos das entidades estão surtindo efeito positivo: “O movimento ‘A Previdência é nossa!’ mostra a sua força com o placar desfavorável para o Governo no plenário da Câmara e reforça que estamos no caminho certo. Vamos continuar com o trabalho de convencimento dos deputados de que é preciso combater a sonegação fiscal, acabar com a DRU e cobrar os devedores da dívida ativa antes de alterar as regras da nossa aposentadoria”. 

Por ser uma proposta de emenda à Constituição, a aprovação depende de 308 votos dos 513 deputados. Durante a votação que decidiu pelo não prosseguimento das investigações sobre as denúncias feitas ao presidente Michel Temer, foi possível perceber diversas manifestações dos parlamentares que se diziam contrários à reforma da Previdência dentro da própria base do Governo. Ainda assim, Maia insistiu: “A única [solução] definitiva é a reforma da Previdência”.

A declaração de Maia ocorreu após uma reunião com os ministros da Fazenda, Henrique Meirelles, e do Planejamento, Dyogo Oliveira, além de alguns deputados e líderes de bancada na Câmara dos Deputados.


Tags: PETRUS, reforma da Previdencia, PEC 287/16, aposentadoria, camara dos deputados, rodrigo maia



Ver todas as notícias