Diretores do Sindicato ressaltaram os malefícios da PEC 287

Em mais uma ação em busca de barrar o andamento da PEC 287/16, que dispõe sobre a reforma da Previdência, o Sindilegis e a OAB/DF participaram, no último domingo (19), de programa na rádio Atividade FM (107.1). Na ocasião, o presidente do Sindicato, Petrus Elesbão, o diretor de comunicação Eduardo Dodd, e o presidente da OAB/DF, Juliano Costa Couto, salientaram que a proposta é incabível e desrespeita os direitos dos trabalhadores.
"O cálculo do Governo com a reforma da Previdência não condiz com a realidade brasileira. Exigir a mesma idade mínima para homens e mulheres - sendo que elas têm tripla jornada- e estabelecer tempo mínimo de contribuição de 49 anos, sendo que o brasileiro passa em média 16 anos sem pagar INSS de acordo com o Dieese, é algo desproporcional. O Governo deve tomar outras medidas, como ter mais eficiência no combate à sonegação fiscal e na cobrança da dívida ativa que ultrapassa 1,5 trilhão, antes de mexer na nossa aposentadoria", disse Petrus Elesbão.
O diretor de comunicação do Sindilegis, Eduardo Dodd, fez uma comparação da PEC 287 com os sistemas previdenciários de outros países: “Chile, França, Inglaterra e Itália, por exemplo, exigem uma idade mínima entre 50 e 55 anos, no máximo. A Argentina, sequer estabelece idade para se aposentar. O Brasil é bem diferente. Se essa reforma passar, raramente vamos conseguir ter acesso à aposentadoria”.
O presidente da OAB/DF, Juliano Costa Couto, falou um pouco sobre a carta aberta, assinada por 160 entidades, entregue ao Congresso Nacional na última semana sobre os malefícios da PEC 287. “Fizemos uma carta ao Governo e à população em geral. Nela, afirmamos que se houver, de fato, a necessidade se fazer uma reforma, que seja feita na gestão do trato do dinheiro público. Não pode e não deve ser aceitável que o brasileiro e a brasileira, que trabalharam por muitos e longos anos, não tenham direito a uma aposentadoria digna no final de suas vidas”, apontou Juliano.
O ex-repórter da CBN Estevão Damázio também participou do programa como mediador do debate.
Outras ações
No dia 15 de março, o Sindilegis também se mostrou contrário à reforma da Previdência na manifestação de rua na Esplanada dos Ministérios. Confira os detalhes na TV Legis, clicando aqui.   




   







Tags: entrevista; reforma



Ver todas as notícias