primeiro-de-maio-dia-do-trabalho-1

Sindilegis homenageia todos os trabalhadores do Brasil por serem a força que move o país

Leia a homenagem na carta do presidente do Sindicato, Petrus Elesbão. Feliz Dia do Trabalhador!

Nem força, nem luta. Hoje o dia pede fé e união!

Há alguns dias tento, sem muito sucesso, encontrar palavras para me dirigir aos colegas trabalhadores do serviço público e da iniciativa privada neste difícil primeiro de maio. Apesar de historicamente ser um chamado à luta, o justo feriado também era momento de celebração. Para muitos, um dos poucos dias do ano em que era possível descansar com a família reunida. Para outros, mais um dia de trabalho, mas com hora extra dobrada pelo menos. Hoje, no entanto, no mundo inteiro a maioria dos trabalhadores estão em casa. Muitos desempregados, abandonados pelos governos a própria sorte. Há pouco para comemorar senão a própria vida. E, para alguns – infelizmente para poucos – a chance de tentar protegê-la.

Impossível não lembrar de Chico Buarque e Construção. Do “pedreiro” que “tropeçou no céu como se fosse um bêbado, flutuou no ar como se fosse um pássaro, se acabou no chão feito um pacote flácido, agonizou no meio do passeio público e morreu na contramão atrapalhando o tráfego”. Pedreiros somos todos nós, que edificamos o mundo com o nosso trabalho. Muda a matéria-prima, mas a contribuição de cada um é essencial. Entre tantas coisas que essa crise tem evidenciado, essa sem dúvida é uma das mais importantes. Dos médicos aos garis e caixas de supermercados: consegue imaginar a vida sem qualquer um deles?

Nos orgulha muito a resposta rápida que os trabalhadores do Congresso e TCU souberam dar à sociedade na aprovação das medidas de socorro necessárias ao enfrentamento da pandemia, além da fiscalização desses recursos para garantir que cheguem às mãos de quem realmente precisa. Mas com apoio de todos eles, tenho certeza, quero dedicar esse primeiro de maio às pessoas que estão arriscando suas vidas para proteger as nossas.

De maneira muito especial quero registrar nossa gratidão aos médicos, fisioterapeutas, farmacêuticos, psicólogos, enfermeiros, técnicos, auxiliares e demais profissionais da saúde, que estão no fronte dessa guerra tão triste. E também aos bombeiros e policiais, aos profissionais da limpeza, atendentes de farmácias e mercados, entregadores, caminhoneiros, trabalhadores do campo e das indústrias. Como disse antes, a contribuição de todos é distinta e essencial, mas vocês são nosso exemplo e inspiração. Muito obrigado.

Quando tudo isso passar – e vai passar -, que nenhum trabalhador se esqueça que sua força se ampara na do outro. Mais do que nunca precisaremos estar unidos e solidários para proteger uns aos outros e cuidar daqueles que agora cuidam de nós. Um mundo muito difícil aguarda cada um. Ou nos abraçamos à humanidade que ainda pulsa para enfrentá-lo, ou nos abandonamos “na contramão atrapalhando o tráfego”. Que o aprendizado desse momento nos conduza à escolha certa.

Petrus Elesbão
Presidente do Sindilegis

 

0