63º Sarau da Câmara e TCU traz a histíria nas escolas de samba

DSC_0032
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

A animação e o clima carnavalesco tomaram o auditório do Cefor nesta sexta-feira, 30, com o 63º Sarau da Câmara dos Deputados e do Tribunal de Contas da União. Nesta edição, a história nas escolas de samba e a história do Brasil contadas em enredos marcantes foram os temas O Sindilegis, que não poderia ficar de fora da iniciativa e da festa, patrocinou o evento.

Anteriormente, no 19º Sarau do Espaço Cultural, os sambas enredos inesquecíveis foram lembrados e 12 foram apresentados como as melhores composições de todos os tempos. Agora, a proposta foi feita de forma diferenciada, como explica o servidor e organizador do evento, Marco Antunes.

“Desta vez, o foco era na história do Brasil contada nas letras das escolas de samba. O objetivo era situar esse aspecto de memória e apresentar aqueles que são historicamente relevantes”, comentou.

Sete canções foram lidas em forma de poema e outros seis sambas de enredo foram interpretados por Célia Rabelo, acompanhada por um grupo de sambistas.

Sambas sobre movimentos revolucionários no Brasil e sobre a história do negro no país, por exemplo, foram apresentadas. A música “Liberdade, Liberdade”, com a qual a escola Imperatriz Leopoldinense foi campeã do carnaval de 1989 no Rio de Janeiro, fechou o evento com muita empolgação e samba no pé dos servidores que prestigiaram o Sarau.

Ao final, os presentes continuaram o clima leve de sexta-feira e prestigiaram uma deliciosa feijoada: tudo a ver com o samba.

Shopping Basket