Coletiva de imprensa online sobre contrapontos da Reforma da Previdência alcança mais de 25 mil pessoas

img-24-01-2017-5887ca76b8512
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Mais de 25 mil pessoas alcançadas, quase 300 compartilhamentos e centenas de interações espontâneas. Esses foram os números registrados pela coletiva de imprensa virtual realizada pelo movimento “A Previdência é Nossa! Pelo Direito de se Aposentar”, do qual o Sindilegis faz parte. O debate foi realizado ao vivo no Facebook, na página do movimento (facebook.com/aprevidenciaenossa), e atraiu a atenção da sociedade e da imprensa brasileira.

Jornalistas de 30 veículos nacionais, tais como Folha de São Paulo, Globo News, Uol, CNT, Estadão e Rede TV, encaminharam perguntas aos especialistas expositores, esclarecendo dúvidas sobre a Reforma da Previdência e alguns pontos polêmicos da PEC 287/2016, em tramitação no Congresso Nacional.

A transmissão também angariou o apoio da sociedade. Dezenas de usuários encaminharam mensagens de incentivo e parabenizam o movimento por propiciar um maior esclarecimento acerca da proposta apresentada pelo Governo.  

Os especialistas

A coletiva da imprensa apresentou a opinião dos especialistas em Previdência Social Eduardo Fagnani, professor do Instituto de Economia da Unicamp; Denise Lobato Gentil, professora de Macroeconomia e Economia do Setor Público da UFRJ; e o juiz Luiz Colussi, diretor da Anamatra. Os expositores falaram sobre pontos da reforma que são omitidos pelo Governo Federal e dados desconhecidos pela sociedade.

De acordo com Eduardo Fagnani, o sistema de previdência proposto pelo Governo na Reforma não condiz com a condição atual do Brasil, que possui um PIB per capita menor que o dos países desenvolvidos e juros altíssimos. Fagnani também considerou a PEC 287 como um atentado aos direitos dos trabalhadores.

“Essa reforma representa a extinção do direito à proteção na velhice. Estamos dizendo que o artigo 25 da Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948 pode vir a não ser cumprido no Brasil”, declarou.

Para Denise Gentil, o discurso de déficit da Previdência Social é falso, uma vez que existe um montante elevado de desonerações fiscais: “Essas desonerações alcançaram em 2015 o patamar de R$ 283 bilhões. Desse montante, R$ 168 bilhões eram com recursos da Seguridade Social”.

Na avaliação do juiz Luiz Colussi, a população brasileira precisa conhecer os dados reais da Previdência Social. “A dívida das empresas é de quase R$ 400 bilhões. Isso o Governo não cobra e não faz esforço para receber. Nosso pedido aqui é que todos nós possamos levar à sociedade, em especial à imprensa que nos ouve, os dois lados da moeda”, afirmou o juiz.

O movimento “A Previdência é Nossa – Pelo Direito de se Aposentar” tem a adesão de centenas de entidades de classe, como o Sindilegis, inclusive diversas Centrais Sindicais. O objetivo do momento é barrar a aprovação da Reforma da Previdência prevista pelo Governo Federal.

Shopping Basket