Diretor do Sindilegis esclarece a sociedade sobre malefícios da Reforma da Previdência

img-24-03-2017-58d5695f0110c
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn



O
comprometimento do Sindilegis no combate à reforma da Previdência continua. Em
entrevista concedida, na última quinta-feira (23), ao programa Os Cabeças da
Notícia, da rádio OK FM (104.1), o diretor do Sindilegis, Helder Azevedo,
falou sobre os possíveis prejuízos contidos na PEC 287/2016. Na ocasião,
Azevedo salientou que os argumentos utilizados pelo Governo para justificar a
proposta são falaciosos.

Queremos
trazer transparência à população, diferentemente do que tem feito o Governo ao
afirmar que a Previdência é deficitária. Os auditores da Receita Federal já
informaram que não existe rombo na Previdência. Pelo contrário, há hoje um
superávit de mais de 11 bilhões de reais, esclareceu o diretor. 

Durante
a conversa, Azevedo argumentou também, que, antes de o Governo propor qualquer
reforma, é necessário que haja um debate claro com a população. O diretor falou
ainda sobre a importância de se combater a sonegação fiscal com mais
eficiência. Existe urgência de uma auditoria da dívida pública que, hoje,
ultrapassa R$ 1,5 trilhão, segundo dados da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional,
complementou Helder.

Outro
ponto discutido foi o tempo de aposentadoria das mulheres. O diretor esclareceu
a oposição do Sindilegis sobre mudança. Nís entendemos que as mulheres
desempenham até triplas jornadas de trabalho. O príprio Dieese reconhece que as
mulheres trabalham muito mais que os homens. Então, nada mais justo que este
tempo seja compensado na sua aposentadoria, explicou.

Na
última semana, o presidente do Sindicato, Petrus Elesbão, junto com o diretor
de comunicação Eduardo Dodd, e o presidente da OAB/DF, Juliano Costa Couto,
participaram de um debate na Rádio Atividade FM (107.1).  Na oportunidade, foram discutidas as diversas
ações das entidades representativas na tentativa de barrar a PEC do Caixão.

Escute, abaixo, o áudio da entrevista:


Shopping Basket