WhatsApp-Image-2020-11-11-at-18.31.01

Em reunião do Conselho da Mulher do DF, Sindilegis debate nova Casa Brasileira e comissões temáticas em apoio a mulheres

Nesta segunda-feira (29), o Conselho dos Direitos da Mulher do Distrito Federal (CDM-DF) esteve reunido, por meio de reunião virtual, para discutir pautas que impactam diretamente na vida das mulheres brasilienses. O Sindilegis, que é entidade suplente do Conselho por meio de suas diretoras Fátima Mosqueira e Magda Helena, participou do encontro, que contou com a presença de 50 conselheiras.

A secretária de Estado da Mulher e presidente do Conselho, Ericka Filippelli, apresentou a nova unidade da Casa da Mulher Brasileira, que será localizada na Ceilândia (CNM 01, Bloco I, lote 3). O prédio é composto por cinco andares, totalizando 2 mil m². O primeiro andar, que já estará aberto à população no início de abril, vai abrigar as salas de acolhimento, auditório, refeitório e brinquedoteca. No segundo, haverá espaços para capacitação profissional de mulheres, como cozinha industrial e laboratório de informática. No terceiro andar serão instalados os órgãos jurídicos, como a Delegacia da Mulher, o Núcleo Especializado da Defensoria Pública, o Juizado de Violência Doméstica e o Ministério Público. Já o quarto pavimento será voltado para o atendimento individualizado ou em grupo das mulheres e, no quinto, alojamento para mulheres que precisarem de acolhimento.

As conselheiras também discutiram sobre as composições das comissões técnicas que serão instaladas para facilitar o atendimento a mulheres vítimas de violência ou de vulnerabilidade social. A diretora Fátima Mosqueira se voluntariou para atuar na Comissão de Legislação e Normas devido à expertise do Sindilegis na área. “Acredito que o Sindicato pode trabalhar de forma muito humanizada esses pontos, principalmente devido à nossa experiência na área legislativa”, apontou.

Na ocasião, Fátima também apresentou a campanha do Sindilegis em celebração ao mês da mulher, que trabalha a violência doméstica como um estigma sofrido por mulheres desde a época do império.

Coronavírus na pauta – O Sindilegis também trouxe uma preocupação quanto à importância da vacinação contra o coronavírus. Fátima explicou que é preciso discutir, principalmente com as mulheres formadoras de opinião do seio familiar, a importância da vacina para combater a Covid-19. “Estamos vivendo uma onda negacionista, onde muitos não seguem protocolos de saúde e não usam máscaras por conta de informações falsas que vêm sendo disseminadas pelas redes sociais, mídia e até mesmo por pessoas próximas. O momento agora é de salvar vidas e a vacinação é o único caminho para isso”, apontou. A secretária Filippelli concordou e afirmou que colocaria a questão como encaminhamento.

O Conselho deliberou por fazer um intercâmbio com o Conselho de Idosos e das Crianças e dos Adolescentes, de forma que sejam feitos projetos e campanhas para atingir mulheres de todas as faixas etárias. “Dessa forma nós podemos instrumentalizar de maneira mais eficaz as políticas públicas direcionadas para cada segmento”, finalizou a diretora do Sindilegis.