Música e poesia marcam apresentação de Elisa Lucinda no Senado

img-14-03-2016-56e6fdef15c55
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Muita música e poesia marcaram a apresentação de Elisa Lucinda no Auditório Petrônio Portella do Senado Federal, na tarde desta quinta-feira (10). Por mais de duas horas, a atriz, cantora, poetisa e jornalista capixaba cantou e recitou obras que abordam o universo feminino. O evento, patrocinado pelo Sindicato dos Servidores do Poder Legislativo Federal e do Tribunal de Contas da União (Sindilegis), integra o calendário comemorativo do Mês da Mulher organizado pelo Comitê pela Promoção da Igualdade de Gênero, em parceria com a Procuradoria Especial da Mulher e a Diretoria-Geral da Casa.

“Sinto-me honradíssima de estar aqui hoje, onde se define o destino do País, como uma brasileira que escreve a própria história e, também, as histórias das mulheres de seu tempo”, afirmou a artista. Ao recitar poesias de seu repertório e de grandes nomes da literatura brasileira, como Cecília Meireles, Elisa Lucinda procurou abordar também temas como machismo, desigualdade social e preconceito racial.

“O Sindicato se orgulha de proporcionar momentos como esse às nossas filiadas. Elisa Lucinda é um grande exemplo de mulher e artista e traz em seu discurso alegre e irreverente um forte grito político em defesa dos direitos da mulher, do negro e de todas as minorias”, ressaltou o vice-presidente executivo do Sindilegis para o Senado Federal, Petrus Elesbão.

Lucinda destacou que a mulher tem sido responsável pela própria transformação ao longo do tempo, e que o papel feminino na sociedade é norteador do destino da nação: “Ela é quem engravida, perde ou aborta, por exemplo. Tudo acontece dentro dela. Depois fica com ela esse emocional do mundo, já que geralmente a família também está nas mãos dela”.

A servidora Rita Polli Rebelo, da Procuradoria Especial da Mulher do Senado, lembrou que o Congresso conta apenas com 51 deputadas e 12 senadoras – cerca de 10% da representação – e destacou a luta da bancada feminina pela aprovação da PEC 134/2015, que cria cotas para mulheres no Poder Legislativo. Para ela, o apoio do Sindicato ao evento mostra como está em sintonia com as questões ligadas à mulher: “A Elisa é uma artista, mas seu discurso traz uma questão política importante, alinhada com a luta que as deputadas e senadoras vêm travando no Congresso”.

“Achei sensacional. Empoderar as mulheres nessa perspectiva que ela tem de dialogar com cada uma, desde as mais conservadoras até as mais libertárias é um ganho enorme”, elogiou Talita Silva, servidora da Câmara dos Deputados.

Com que bolsa eu vou

Durante o evento também foi lançada a campanha “Com que bolsa eu vou?”, para arrecadar roupas, calçados e itens de beleza e higiene pessoal a serem doados a mulheres que vivem provisoriamente na Casa Abrigo do Distrito Federal. A iniciativa, fruto de parceria entre a Diretoria-Geral do Senado, a Liga do Bem e o Governo do Distrito Federal (GDF), pretende resgatar a autoestima de mulheres em situação de vulnerabilidade. 

“Quero convidar vocês a fazerem parte dessa campanha porque se sentir valorizada é muito importante. Nesses dias, que não têm sido fáceis, é o que faz a gente olhar o mundo com mais otimismo”, defendeu a Diretora-Geral, Ilana Trombka.

 

Confira a lista de pontos preparados para receber as doações:

– Entrada da Biblioteca do Senado;

– Hall do Interlegis;

– Secretaria de Relações Públicas (SRP);

– Entrada da Ala Alexandre Costa;

– Hall da Diretoria-Geral;

– Pátio do Prodasen;

– Gráfica do Senado (ao lado da Caixa Econômica).

Shopping Basket