Servidores da Câmara debatem retorno ao trabalho presencial com Sindilegis

Agência Senado
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Sindicato encaminhará sugestões de servidores que foram definidas em assembleia à diretoria-geral da Câmara

Nesta sexta-feira (8), o Sindilegis realizou assembleia geral extraordinária para ouvir os servidores da Câmara dos Deputados sobre os receios e às expectativas em relação ao retorno às atividades presenciais na Casa, anunciado pelo presidente, deputado Arthur Lira (PP-AL), para o dia 18 de outubro. A reunião aconteceu de maneira virtual, pelo aplicativo Zoom, em razão da pandemia de coronavírus.

Durante a reunião, o presidente do Sindilegis, Alison Souza, expressou receio com o retorno ao trabalho presencial na Câmara dos Deputados sem um plano que estabeleça critérios claros de como se dará a volta e sem uma comunicação eficiente com os servidores. “Ponderei com a diretoria-geral da Casa, em reuniões, que é necessário ter uma comunicação mais clara com os servidores e estabelecer um plano detalhado de como será o retorno: quais critérios serão utilizados; se vão levar em consideração a natureza do trabalho ou a estrutura física; e qual o percentual de retorno. Existem perguntas que precisam ser respondidas para que os servidores retornem com segurança”, explicou.

Servidores da Câmara que participaram da assembleia também se mostraram preocupados com o retorno presencial sem o cumprimento dos protocolos de segurança. Alguns narraram episódios recentes de aglomeração nos corredores e elevadores e da falta de uso de máscaras por pessoas que transitam pela Casa. Além disso, deram sugestões para que se tenha um retorno mais seguro: exigência de passaporte de vacina; distribuição de máscara; aferição de temperatura; testagem periódica, equipamentos de proteção para funcionários dos elevadores; limitação de pessoas em cada ambiente; e trabalho em sistema híbrido.

Entre os encaminhamentos, Souza garantiu o envio de ofício à diretoria-geral com as sugestões dadas pelos servidores e que o Sindilegis irá defender o adiamento do retorno ao trabalho presencial para o início do próximo ano, pedindo, inclusive, que seja feito de maneira gradativa, com avaliação do impacto do ponto de vista do contágio, e que a Casa apresente um plano de retorno com diretrizes e critérios claros para preservar a saúde dos que trabalham no local.

Discutiu-se também a elaboração de um plano para a regulamentação do teletrabalho nas Casas. “O Sindilegis já iniciou conversas com as diretorias-gerais da Câmara dos Deputados e do Senado Federal para essa regulamentação. Mas isso envolve um trabalho mais minucioso, pois depende de avaliação de desempenho, sistema de distribuição de tarefas e acompanhamento do trabalho remoto. Mas acredito que é um desejo das Casas implementar a modalidade”, disse Alison Souza.

Retorno já havia sido anunciado

Em fevereiro deste ano, mesmo com o número crescente de contaminação por Covid-19, a Câmara chegou a anunciar o retorno ao trabalho presencial. Naquela ocasião, após receber diversas denúncias, inclusive com vídeos, mostrando grandes aglomerações e pessoas circulando sem máscara, o Sindilegis anunciou que iria ingressar com ação judicial para impedir que os servidores da Câmara dos Deputados e do Senado Federal retornassem ao trabalho presencial enquanto as Casas não assegurassem o cumprimento dos protocolos de biossegurança suficientes para evitar a contaminação por Covid-19. A Casa acabou voltando atrás na decisão, e os servidores se mantiveram em trabalho remoto.

Shopping Basket