Sindilegis ingressará com ação judicial para resguardar direitos de servidores do Senado que sofreram perdas salariais

congresso
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Número de afetados pela progressão funcional desigual chega a 900 pessoas. Ações serão ajuizadas individualmente para que seja respeitado o tempo de Casa para ressarcimento dos valores

Com o objetivo de resguardar os direitos de servidores do Senado Federal, o Sindilegis ingressará com ações individuais na Justiça em prol daqueles que concluíram, ou irão concluir, o estágio probatório antes de dezembro do ano anterior à avaliação de desempenho para fins de promoção por mérito.   De acordo com a Lei 12.300/2010, as pessoas que estiverem nessa situação – ainda que o regulamento administrativo do Senado, em seu artigo 19, estabeleça que os efeitos financeiros sejam a partir de 1º de janeiro do mesmo ano da avaliação – têm direito à percepção retroativa da parcela alusiva à progressão de padrão e de vencimento.  

Para o presidente o Sindilegis, Nilton Paixão, não é justo um servidor que tenha concluído o estágio probatório no começo do ano tenha tratamento remuneratório igual ao que tenha finalizado no final do ano. “São situações que merecem tratamentos jurídicos e remuneratórios distintos. Portanto, os mais novos não devem ter tratamento favorecido aos mais antigos. Trata-se de reivindicação antiga da categoria que, agora, começa a ser resolvida ainda que de forma judicial”, afirmou.

Para reverter essa situação injusta, o Sindilegis contratou a Advocacia Carvalho Cavalcante, que ficará responsável pelo ingresso das ações no Tribunal Regional Federal. O intuito é que a União pague as diferenças entre o que foi recebido e o que deveria ser efetivamente pago ao servidor, com juros e correção monetária. Além disso, a progressão obtida produzirá reflexos nas futuras promoções do servidor, uma vez que terão por base a nova situação funcional obtida a partir do enquadramento correto.

Estima-se que 900 servidores estão sendo prejudicados atualmente. Dessa forma, é importante que esses profissionais ajuízem ação de cobrança para recuperar os valores injustamente não recebidos no tempo oportuno. Os interessados em recuperar os valores, que podem variar entre R$ 10.000.00 e R$ 35.000.00, a depender do nível e do padrão do servidor, devem encaminhar a documentação em anexo para o ajuizamento da ação de cobrança. Contudo, para ingressar a ação por meio do Sindicato, o servidor deverá se filiar e se manter filiado pelo menos durante todo o trâmite do processo.

Além disso, a escolha da Advocacia Carvalho Cavalcante não foi aleatória. O escritório tem uma história de tradição na defesa dos direitos dos servidores públicos federais. Sua especialidade são as causas que envolvem o Direito Administrativo e Previdenciário contra a União Federal, seja ela representada por órgãos da Administração Pública direta ou indireta. 

Serviço:

Segue abaixo lista com a documentação necessária para ajuizar a ação de cobrança dos efeitos financeiros imediatos da promoção por mérito. Vale ressaltar que não há necessidade de reconhecimento de firma. Os documentos e cópia deverão ser entregues na Consultoria Jurídica do Sindilegis – Consulegis, localizada no CAS 610 sul. Para mais informações, o telefone do escritório de advocacia  é (61) 2109-0009.

1. Procuração (assinar)
2. Contrato de honorários (assinar)
3. Declaração de hipossuficiência (assinar)
4. Cópia simples frente e verso do RG e do CPF
5. Certidão funcional
6. Ficha financeira dos últimos cinco anos
7. Ficha de filiação
8. Declaração de Concordância do Estatuto
9. Atualização cadastral (apenas para os filiados)

Shopping Basket