????????????????????????????????????

TCU recebe nova edição da Feira de Orgânicos e Artesanais

Evento acontece na quinta-feira, dia 1 de agosto, no gramado do Anexo II

Na próxima quinta-feira (1º), os servidores do Tribunal de Contas da União poderão adquirir alimentos mais saudáveis na nova edição da Feira de Orgânicos e Artesanais. O evento acontece de 8h às 14h, no gramado do Anexo II do Órgão.

Além de frutas, verduras e legumes orgânicos e certificados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, também é possível adquirir produtos artesanais de qualidade. São vendidos pães integrais, sem glúten e sem lactose, bolos, manteiga caseira, molhos e conservas.

A iniciativa é uma ação do Serviço Socioambiental da Secretaria-Geral Adjunta de Administração (Adgedam) do Órgão, em parceria com a Associação dos Produtores Orgânicos do Bioma Cerrado (Agro-Orgânica).

Em junho deste ano, foram realizadas três edições da Feira. A servidora Patrícia Barros Martins esteve presente na ocasião e foi surpreendida pela variedade de produtos: “Em feiras orgânicas geralmente já não têm muita coisa. E eu, que cheguei tarde, achei que só ia encontrar a Xepa, mas não. Fiquei muito feliz com a feira porque é a realização de uma expectativa antiga dos servidores”.

O evento surgiu de uma visitação de servidores do TCU ao Viveiro do Senado Federal, onde já é realizada uma feira em parceria com a cooperativa.  Benjamim Lima Júnior, auditor do Serviço Socioambiental, conta que o evento do Senado foi inspirador. “Em abril, nós vimos a experiência do Senado, visitamos o Viveiro e o nosso Secretário Luiz Henrique Pochyly Da Costa, expressou o desejo de trazer também para o tribunal”, explicou.

O funcionário da Agro-Orgânica Geraldo Corrêa da Silva destacou a vantagem em relação ao custo-benefício: “O produto orgânico custa, em média, o mesmo que os produtos comerciais, mas com a vantagem de ser livre de venenos, sem malefícios à saúde de quem consome”. Para que um produto seja certificado como orgânico, deve atender a todos os princípios estabelecidos na Lei Federal 10.831, de 23 de dezembro de 2003, e possuir o Selo SisOrg, gerido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Deixe seu comentário