Banner-site

Diretoras do Sindilegis divulgam manifesto no Dia da Mulher

Lembrando que hoje é um dia de luta e discussão aprofundada, as diretoras elencaram conquistas que ainda precisam ser alcançadas no Brasil e no mundo

Hoje, 8 de março, as diretoras do Sindilegis divulgaram uma carta manifestando pontos importantes que precisam da atenção da sociedade. O Dia da Mulher é um dia de luta e, por isso, essas mulheres que compõem o corpo diretor do Sindicato decidiram utilizar a voz que tem na entidade para lembrar que ainda há muito a conquistar.

Confira a carta na íntegra:

 

Às filiadas e filiados

Uma mulher espancada ganhou as manchetes dos jornais e sua história chocou o país recentemente. Todos os dias mulheres são violentadas, excluídas do mercado de trabalho, mortas e assediadas. Gritos de socorro, silenciosos ou altos, ecoam aos nossos ouvidos, em nossos prédios, na rua e em nossas salas de trabalho. Nada é feito! A pergunta é: Por que, tantas vezes, ficamos inertes diante dessas situações?

Como entidade representativa que luta pelos servidores da Câmara dos Deputados, do Senado Federal e do TCU não nos omitimos diante de algo tão sério! Como servidoras do Legislativo e do TCU, temos orgulho de saber que o nosso trabalho fez acontecer mudanças reais. Leis como a Maria da Penha e a lei do feminicídio passaram pelas mãos de muitas de nós. E, sabemos, esse trabalho que fizemos é só o início da transformação.

Neste dia 8 de março, queremos agradecer desde já os mimos como bombons, flores e mensagens de parabéns. Porém, o que realmente importa para nós é lutar por mudanças como:

– Oportunidades justas em cargos de chefia nas Casas;

– Adequação de jornada para mães em todos os órgãos e empresas;

– Políticas públicas que impeçam que mulheres continuem sendo violentadas e mortas apenas por serem mulheres, por homens que as veem como propriedade ou como sendo frágeis;

– Redução da idade mínima de aposentadoria para a mulher, tendo em vista que sua jornada é incomparável a de um homem;

– Combate feroz ao machismo, ao assédios moral e sexual no ambiente de trabalho;

– Equivalência salarial. Ainda que no serviço público tenhamos um problema menor quanto a essa questão, no mercado de trabalho mulheres ainda ganham menos que homens, executando as mesmas funções;

– Mais incentivo para que mulheres ocupem seus espaços no parlamento e no serviço público;

– E sim, somos bonitas! Mas queremos ser reconhecidas por nossa garra, inteligência, compromisso e competência. E isso precisa ficar claro, de uma vez por todas, especialmente para nossos colegas de trabalho.

Entendemos que só há uma maneira de combater tudo isso: a parceria e cooperação entre homens em mulheres em nome da justiça.

Neste 8 de março de 2019, as mulheres que dirigem o Sindilegis, junto com os demais diretores, reafirmam o posicionamento de lutar pelas servidoras representadas e pela sociedade brasileira, para que sejam garantidos a todos o respeito, a oportunidade, a igualdade e o justo reconhecimento.

 

ESTE É UM DIA DE LUTA! NÓS ESTAMOS NA LUTA!

 

Fátima Mosqueira

Magda Helena

Simone Barbosa

 

 

Deixe seu comentário