Banner_Site_6_1

SALVE O SOM: sucesso de público e de solidariedade!

O projeto, que mobilizou o brasiliense em prol da classe artística da cidade, arrecadou mais de 14 toneladas de doações para pessoas em situação de vulnerabilidade e agradou público e classe artística

 

 

Na última quinta-feira, 30 de abril, foi finalizada a primeira fase do projeto SALVE O SOM, realizado pelo Sindilegis, em parceria com o SindjusDF, com o Fonacate e Legis Club Brasil, e apoiado pela agência Fermento, pelo Sicoob Legislativo e jornal Metrópoles. A iniciativa mobilizou o público brasiliense em um show de solidariedade e música para todos os gostos, arrecadando doações que serão destinadas a pessoas em situação de vulnerabilidade em razão da pandemia de Covid-19.

 

O presidente do Sindilegis, Petrus Elesbão, refletiu sobre a importância de iniciativas que engajem a população. “A beleza desse projeto é que ele conseguiu unir entidades, empresas e o público em prol de uma causa comum: a ajuda a quem mais precisa nesse momento crítico que vivemos. Graças a essa ação, poderemos apoiar organizações que realizam esse trabalho assistencial”.

 

Entre os dias 27 e 30, subiram ao palco virtual do SALVE O SOM, 12 atrações do primeiro time da música de Brasília: Rogério Midlej, Philippe Seabra, Marvyn, Dhi Ribeiro, Brícia Helen, Gleno Rossi, Banda Coisa Nossa, Senhor Gonzales, Hugo e Felippe, Márcio Marinho, banda Surf Sessions e o cantor Victor Victrolla. Enquanto as transmissões aconteciam pela página do Sindilegis no Youtube, os internautas interagiam com os artistas, enviando mensagens com pedidos de músicas.

 

Na terça-feira, dia 28, foi realizada a primeira entrega de doações dentro do projeto. A Villa Samaritana foi presenteada com cinco máquinas de costura e uma máquina para corte de tecidos graças a uma parceria com o voluntariado do Senado Federal, a Liga do Bem. A iniciativa atua na recuperação de dependentes químicos e na assistência à pessoas em situação de rua. Os equipamentos serão utilizados na capacitação os internos e oferecendo a oportunidade de trabalhar mesmo durante a crise econômica gerada pela pandemia de Covid-19. O grupo vai produzir 5 mil máscaras que serão doadas para comunidades carentes.

 

A diretora de Benefícios, Fátima Mosqueira, visitou a organização que recebeu os donativos e parabenizou o empenho da equipe técnica e de suporte pelo trabalho realizado no local. “A equipe da Villa trabalha com afinco e dedicação para assistir e apoiar pessoas doentes e sem lar. Nós, do Sindilegis, bem como a ASA-CD e o voluntariado da Liga do Bem, também seguimos premissas de colaborar com ações transformadoras. Por isso estamos aqui para somar forças a esse projeto tão bonito, humano e capaz de resgatar a autoestima. O apoio, principalmente das mulheres que compõem o corpo técnico dessa ação merece reconhecimento e apreço”, afirmou a dirigente.

 

Na quinta-feira, 30, o Sindilegis, mais uma vez com o apoio da Liga do Bem, entregou cestas básicas a famílias do Núcleo Campão Comprido, em São Sebastião, que vivem dificuldades após a perda de postos de trabalho, em meio à crise motivada pela pandemia da Covid-19. A doação também foi resultado da arrecadação feita durante as lives.

 

Nos quatros dias de lives, o projeto arrecadou o total de 14,15 toneladas de alimentos, que serão distribuídos a famílias em situação de vulnerabilidade, afetadas pela crise motivada pela pandemia da Covid-19. Entidades representativas de servidores, associações e empresas se juntaram a corrente de solidariedade e garantiram a alimentação para a população mais fragilidade em tempos de quarentena. Foram elas: ANAJUSTRA Federal, ASA-CD, Sicoob Legislativo, ASCADE, Legis Club Brasil, ASSTJ,  Projeto Picolé para Todos, Speed Gráfica e Editora, Ibaneis Advocadia e Consultoria, ASTCU, ASSEFE, ASAJUS, ASTRIFE, AGEPOL JUS, Juris Consultoria e Assessoria Contábil, Associação dos Servidores do TRT 10, ASDR, ASSEJUFE e MultiClínica ProntoCEI.

 

Cadeia produtiva da arte

 

A série de lives do SALVE O SOM também nasceu com o objetivo de gerar renda para os músicos de Brasília, nesse momento de distanciamento social em que as atividades artísticas estão suspensas. O segmento de arte, cultura e entretenimento foi o primeiro a ser impactado pela crise econômica decorrente da Covid-19 e, sem dúvida, será o último a sair.

 

A partir do slogan “Juntos pela música e pela vida”, o projeto esteve aberto à adesão de outras empresas e apoiadores sensíveis à causa, que doaram em dinheiro, o total de R$ 18.511,90.  Os músicos que se apresentaram no SALVE O SOM, receberam um cachê simbólico quando convidados para participar do projeto. Do total levantado, 70% será rateado entre os artistas,  seus produtores e técnicos, enquanto 30% será destinada à compra de cestas básicas e máscaras.

 

A iniciativa ainda recebeu a doação de 1150 máscaras de proteção dos seguintes apoiadores: Sasse Promocionais, BEM Promotora, Daniel Valadares e Wellus Jeans.

 

 

0