Segunda edição das Quintas Musicais acontece ao som tipicamente brasileiro de Dudu Maia e Regional, quarteto de Chorinho

mile
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Na tarde do último dia 21, no auditório do anexo III, os servidores do TCU se deleitaram com o ritmo genuinamente brasileiro e nostálgico do Chorinho de Dudu Maia e Regional. A apresentação do quarteto impressionou o público pelo talento e pelo domínio da técnica demonstrados pelos intérpretes.

O evento compôs a segunda edição do “Quintas Musicais”, projeto cultural de iniciativa da ASTCU em parceria com o Sindilegis, com a Auditar e com o Banco Alfa. Integram o grupo: Dudu Maia(bandolim), Breno Alves(pandeiro), Dudu Sete Cordas(violão de sete cordas) e Pedro Vasconcellos(cavaco).

Para a exibição na Casa, os instrumentistas selecionaram um repertório especial, inspirado nos maiores compositores da música brasileira, tais como: Nelson Cavaquinho, com “Caminhando”; Orlando Silveira, com “Perigoso”; Jacob do Bandolim, com “Vibrações”; Ernesto Nazareth, com “Brejeiro”; Pixinguinha, com “Seu Lourenço no Vinho”, entre outros. Além disso, Dudu Maia apresentou canções autorais: “Coré Coré” e “Saruê Bengala”.

Enquanto tocavam, Dudu Maia e Pedro Vasconcellos conversavam com o olhar. Em outros momentos, a sensação de quem assistia ao espetáculo era a de que o grupo “incorporava” as canções, devolvendo ao público interpretações intimistas. Breno Alves revelou sua devoção à música ao reinventar ritmos com suas poderosas mãos ao pandeiro. Dudu Sete Cordas demonstrou uma técnica inquestionável. O conjunto também improvisou com a música “Tico-Tico no Fubá”, de Zequinha de Abreu, recebendo aplausos entusiasmados. Dudu Maia ainda brincou com a plateia enquanto os músicos afinavam seus instrumentos. “Minha mãe disse que é mais bonito afinado”, afirmou.

Ao término da apresentação, o bandolinista destacou que “a ação da ASTCU em oferecer música aos servidores é maravilhosa. Traz um benefício cultural e pessoal enorme”. Ele disse também que foi gratificante realizar seu trabalho em um ambiente propício, com profissionais qualificados e com equipamentos adequados. “Tocamos em nossa plenitude. Quem sabe voltaremos para fazer um show acústico aqui neste mesmo auditório!”, insinuou.

Avaliação do Choro no Brasil

O Choro é uma música genuinamente brasileira que abrange vários ritmos e que requer grande habilidade para a improvisação. “O Chorinho brasileiro é a ‘mãe’ da MPB. É uma forma nostálgica e melosa de se expressar”, definiu Dudu Maia. No dia 23 de abril, comemorou-se o Dia Nacional do Choro, em homenagem a Pixinguinha, nascido nessa data e referência do gênero no Brasil. “Trouxemos ao TCU um conjunto musical que reúne, entre outros, Ernesto Nazareth, Jacob do Bandolim e composições autorais para mostrar os caminhos dessa música que, apesar de ter mais de 100 anos, continua sendo executada e reinventada”, avaliou o musicista.

O Clube do Choro em Brasília

Fundada em Brasília, no final dos anos 1990, a Escola Brasileira de Choro Raphael Rabello foi a primeira do gênero do Brasil. E, ao longo do tempo, formou muitos profissionais que hoje vivem da música e compartilham essa carga cultural com outros países. Diante do sucesso da iniciativa, criou-se, a partir de 2004, o Espaço Cultural do Choro, sede da Escola de Choro e do Clube do Choro.

Carreira internacional

Dudu Maia possui uma carreira consolidada nos EUA. Recentemente, esteve em uma turnê, de oito shows, que passou por vários estados norte-americanos. No próximo mês, ele embarca para a Califórnia, onde representará o Brasil no Mandolin Symposium, encontro que reúne renomados bandolinistas de todo o mundo para aperfeiçoamento profissional. Na ocasião, o músico também ministrará aulas. Além disso, coordena, há cinco anos, o Centrum Choro Workshop, maior evento dedicado ao Choro nos EUA. Quem atua com ele no exterior são dois musicistas de São Paulo: Douglas Lora e Alexandre Lora. Eles integram o Trio Brasileiro e já lançaram dois discos em terras norte-americanas. O conjunto também gravou com Anat Cohen, renomada clarinetista israelense que reside em Nova York há vinte anos.

Encerrado o evento, o presidente da ASTCU, Alison Souza, conclamou os servidores a participar das próximas atrações culturais, cujo intuito é promover a interação e o bem-estar no ambiente de trabalho.

*Texto: Milena Abrahão – Assessoria ASTCU

Shopping Basket