DestaqueSetembroAmarelo

Setembro amarelo: Como ajudar alguém que está pensando em suicídio?

Saiba como identificar uma pessoa com ideação suicida e auxiliá-la nesse momento difícil

 

O mês de setembro traz consigo uma campanha de prevenção ao suicídio, conhecida popularmente como “Setembro Amarelo”. A campanha foi criada em 2014 e o nono mês do ano foi escolhido como palco em razão à data de hoje, 10 de setembro, o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio.

Estima-se que, no mundo, a cada 40 segundos, uma pessoa comete o ato suicida. E no Brasil, a cada 46 minutos, alguém tira a própria vida. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) revelam que o total de mortes por suicídio mundialmente ultrapassam a marca de 800 mil por ano. Diante dessa complicada e delicada situação, como podemos ajudar alguém que está pensando em suicídio?

Antes de qualquer coisa, é importante lembrar que alguém com pensamentos suicidas não está necessariamente querendo morrer, mas sim escapar de um problema para o qual não vê uma solução simples e que pode estar lhe causando desconforto há um determinado tempo. Logo, o suicídio não possui uma causa específica, mas é proporcionado por um conjunto de fatores que tiram temporariamente o prazer nas atividades diárias e uma ausência de sentido.

Um indivíduo com ideação suicida pode também dar sinais a partir de seu comportamento. Falas recorrentes sobre o ato ou sobre a falta de interesse na vida, postura muito autocrítica, o isolamento social, o pensamento de que tudo seria melhor se ela estivesse longe, todos esses sinais podem ser considerados como pistas de uma possível ideação suicida.

E como agir diante disso? Deve-se acolher aquela pessoa no momento, dar espaço para desabafo e liberdade de dizer o que está se passando em sua cabeça. Como ouvinte, é essencial não trazer julgamentos na conversa. Isso já será um grande alívio para a vítima. Críticas podem piorar o estado emocional daquela pessoa.

Posteriormente, pode-se incentivá-la a procurar uma ajuda profissional, para que isso possa ser resolvido da forma mais adequada possível, deixando claro que todo problema possui uma solução. É primordial também que você fique atento às ações dessa pessoa, não a deixe sozinha e ofereça um contato de emergência durante esse período de busca por ajuda especializada. Outra dica boa é incentivá-la a fazer tarefas simples do dia a dia, de forma que ela possa se afastar um pouco de seus problemas.

Lembre-se que cuidar da saúde mental é tão importante quanto cuidar da saúde física. E uma pessoa com pensamentos suicidas não precisa de críticas e pressão, mas sim de apoio emocional, compreensão e acolhimento.

 

SERVIÇO

Em caso de emergência, entre em contato com o Centro de Valorização da Vida (CVV).
Telefone: 188
Site: https://www.cvv.org.br/