Sindilegis anuncia que solicitou recomposição salarial de 18% aos servidores do Legislativo

O Sindilegis comunicou aos filiados, nesta terça-feira (16), que esteve reunido com os diretores-gerais da Câmara e do Senado, Celso de Barros e Ilana Trombka, respectivamente, bem como o secretário de administração do TCU, Márcio Albuquerque, para discutir a recomposição salarial aos servidores do Legislativo.

Na conversa, o presidente do Sindicato, Alison Souza, afirmou que a entidade solicitou que a recomposição ocorra nos mesmos moldes da proposta encaminhada aos servidores do Judiciário e MPU, que receberão 18% de aumento.

Segundo Souza, houve uma mudança de humor em relação às Casas quanto à recomposição salarial. Os diretores-gerais e os secretários demonstraram-se compromissados em relação à garantia da recomposição, mas que não poderiam garantir para este ano tendo em vista que é preciso que seja enviado o percentual à proposta orçamentária da Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2023: “Não houve encaminhamento formal, mas o que nos foi garantido é que esse assunto será retomado pós-eleições via emenda à LOA para 2023 e novos planos de carreira para a categoria. A ideia é que o Legislativo receba o mesmo percentual que será pago aos servidores do Judiciário e MPU”.

A proposta é que o reajuste seja escalonado em quatro parcelas a serem incorporadas nos meses de abril e agosto 2023 e janeiro e julho de 2024. O presidente do Sindilegis completou: “Sabemos que um reajuste de 18% não cobre todas as nossas perdas inflacionárias, que acumulamos há cinco anos, e que a recomposição integral é o foco da luta do Sindicato. Mas na atual conjuntura, acreditamos que garantir esse percentual seja uma vitória para nossos servidores”.

Compartilhe

Veja também: