Sindilegis criará grupos de trabalho para debater construção de novos planos de carreira

APRECIAÇÃO DAS CONTAS 2021 (800 mm × 550 mm) (900 px × 516 px) (Post para Instagram) (900 mm × 516 mm) (960 mm × 540 mm) (800 mm × 516 mm) (900 px × 516 px) (8)
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Em reunião virtual ocorrida nesta quinta-feira (24), o Sindilegis comunicou aos filiados que serão criados três grupos de trabalho para a construção de novos planos de carreira para servidores da Câmara, do Senado e do TCU. A decisão foi comunicada no encontro, transmitido pela plataforma do Youtube, convocado pelo Sindicato para discutir as melhores estratégias com vistas à recomposição salarial.

O presidente do Sindilegis, Alison Souza, explicou que as reuniões começarão logo após o carnaval e que os grupos de trabalho serão coordenados pelos vice-presidentes do Sindicato para cada Casa. Os últimos planos de carreira aprovados foram em 2016: a Lei 13.322/16, que reajusta a remuneração dos servidores do Senado Federal; a Lei 13.320/16, para o Tribunal de Contas da União; e a Lei 13.323/16, para a Câmara dos Deputados.

Para Souza, a construção de um texto para os novos planos é necessária e requer a união de todos os servidores:
“Em primeiro lugar temos que lutar pela recomposição salarial de ativos e aposentados, mas há muitas outras questões relevantes, como gestão por resultados, novos concursos, teletrabalho e reformas administrativas em curso”.

Representantes das associações parceiras também foram convidados para compor o GT, bem como qualquer filiado ao Sindilegis que desejar contribuir na construção do plano. Para isso, bastar enviar um e-mail à [email protected] manifestando sua vontade de participação com nome completo, CPF e telefone.

Segundo o presidente do Sindilegis, essa é a melhor estratégia para buscar a recomposição salarial dos servidores, que já se encontram com remunerações defasadas desde 2017. Os participantes corroboraram com a decisão e afirmaram que pedir aumentos coletivamente não é a melhor estratégia, tendo em vista que o Governo já sinalizou que está estudando conceder reajuste linear de R$ 400 para os servidores federais.

 

Shopping Basket